Como Estudar Em Uma High School Americana?

Qual o visto que os pais devem apresentar para matricular a criança em uma escola pública americana?

A pergunta que vem após saber dos valores de uma High School nos Estados Unidos é ‘’Qual o visto que os pais devem apresentar para matricular a criança em uma escola pública americana?” Este tipo de intercâmbio exige o visto F-1 ou M-1. O website do governo americano (https://www.uscis.gov/working-united-states/students-and-exchange-visitors/students-and-employment/special-instructions-b-1b-2-visitors-who-want-enroll-school) traz a mesma pergunta e a resposta. ‘’É permitido estudar usando o visto B1/B2? Não. Não é permitido!’’.

O website do USCIS ainda informa que, quem violar esta regra ‘’não será elegível para a extensão do visto de turista (B1/B2) ou mudar para status de estudante (F-1 ou M-1).

 

USAHelp4U – Bolsa de Estudos 2017

Informe-se!

[mc4wp_form id=”1978″]

 

Mesmo assim, a comunidade imigrante está cheia de casos de estudantes que entram no país com visto de turista junto com seus pais e imediatamente são matriculados em escolas públicas. O problema acontece no conflito entre a lei imigratória americana e outra lei, ‘’No Child Left Behind Act’’, que assegura que toda criança em idade escolar deve frequentar a escola independente de condições imigratórias.

As ONGs USAHelp4U e Centro de Assistência ao Imigrante (IAC) recebem constantemente questionamento de pais brasileiros na busca de informações de como matricular seus filhos e ou como solucionar o problema causado após a matrícula dos filhos nas escolas públicas americanas.

Quem responde a dúvida é a responsável pela orientação de alunos estrangeiros no condado de Miami Dade, Maria Elena Paradela – Ed.D., PDSO – International Student Placement Advisor, Miami-Dade County Public Schools.

USAHELP4U – Se um pai ou mãe se apresentar hoje em uma High School ou escola primária pública no condado de Miami Dade mostrando apenas o seu passaporte (com um visto B1 / B2) e seu filho (com apenas um visto B1 / B2) – ambos são válidos – Esse pai ou mãe pode matricular esta criança?

Maria Elena – “As informações que sobre o visto de turista B1 / B2 estão corretas. Neste país há uma Lei Federal que declara que não se deve solicitar a condição imigratória durante matricula escolar todos os estudantes de K-12 (pré-escola até ensino médio em escolas públicas), mas isso não indica que eles podem se registrar com um status B1/B2. Devido ao fato de que não pedimos, cabe aos pais saberem o que podem e não podem fazer com o tipo de visto que foram emitidos para entrar nos EUA. Se o passaporte é mostrado para a escola, ele é usado para verificar o nome, nada mais. Portanto, como as informações fornecidas no link do USCIS indicam, ninguém com um Visto de Turista B1 / B2 pode se registrar para estudar.”

 

O assessor jurídico do Consulado Geral do Brasil em Miami, Dr. Joel Stewart também solicita cautela dos pais brasileiros. “Matricular os filhos em escola pública com visto de turista é contra lei federal.  Brasileiros estão sempre procurando uma maneira de ficar legal e o F-1 está sendo usado como chave importante neste processo’’, disse o advogado durante apresentação na 1ª. Feira da Educação, realizada no dia 29 de abril na Primeira Igreja Batista da Flórida.

Consequências

A diretora da ONG – IAC, Esther Pereira, conta os casos de pais e estudantes que tiveram que lidar com as consequências da falta de conexão entre as duas leis. ‘’É comum atendermos casos de pais que matricularam os filhos com o visto B1/B2 e depois tentam mudar o status para F-1 e não conseguem. Além de ter a mudança negada, eles passam a ficar ilegais no país. Há também os casos em que o pai ou mãe consegue a mudança e os filhos têm o visto F-2 (o de acompanhante de F-1) negados. Neste caso, as crianças sofrem as consequências das màs escolhas dos pais’’, lembra.

Ela lembra ainda de outro caso em que uma adolescente veio para os EUA morar por um ano com familiares (usando o visto de turista) enquanto frequentava a High School pública local gratuitamente. ‘’Depois de anos que voltou ao Brasil, a estudante tentou conseguir novo visto de turista para os EUA e o mesmo foi negado. O consulado americano ainda revelou o porquê. Ela usou o sistema público de ensino sem ter o visto correto para isso’’, revela.

Vale lembrar que a imigração americana ainda não consegue ter o controle absoluto de quem usa e ou abusa do sistema usando o visto de turista. Mas casos como os citados acima não são raros.

Existem atualmente nos EUA cerca de 11 milhões de pessoas sem documentação de permanência no país. Como, cada estado tem leis próprias, a recepção ao imigrante sem documentação adequada para ficar no país também diferencia.

 

 

High School nos Estados Unidos é possível!

Famílias imigrantes devem pesquisar qual o tipo de visto adequado, erro pode causar problemas futuros

Sem dúvida que estudar em uma High School pública (ensino médio) nos EUA é o sonho de muitos jovens brasileiros. O que muitos pais não sabem é que o processo pode não ser tão caro como as agências de turismo mostram. Algumas exigem preços astronômicos e dificultam o planejamento das famílias. A culpa seria os excessos de taxas.

Com um pouco de paciência e alguma pesquisa, os pais podem enviar seus filhos para um ano em uma High School pública americana e economizar cerca de 40% do valor do investimento na educação dos filhos. Só o estado da Flórida tem 509 High Schools públicas e privadas, segundo o Department of Homeland Security, aptas a receberem estudantes estrangeiros.

 

USAHelp4U – Bolsa de Estudos 2017

Informe-se!

[mc4wp_form id=”1978″]

 

O valor médio de um semestre letivo nos EUA (seis meses) está entre $12 mil a 14 mil dólares se comprado em agências no Brasil. No condado de Miami Dade, por exemplo, o valor é de $7.600 pelo ano escolar em uma high school pública.  Vale lembrar que preço varia por condado e estado americano. Assim como a documentação exigida para matrícula. Valores não incluem acomodação, visto e alimentação.

Em Miami Dade as inscrições para alunos estrangeiros no ano letivo 2017-2018 já estão abertas. O ano escolar nas escolas públicas tem início em 21 de agosto. O condado é o quarto maior distrito escolar nos Estados Unidos, com 392 escolas públicas e 345 mil estudantes.

 

Visto de estudante pode ser alternativa para turistas brasileiros

Com as regras linha dura do novo presidente americano, brasileiros começaram a procura por alternativas para prolongar seu tempo de permanência nos Estados Unidos com menor possibilidade de deportação. Desde a divulgação de que indocumentados vão estar na mira na polícia, a procura por informações sobre visto de estudante (F-1) aumentou.

A tática comum dos brasileiros de chegar aos Estados Unidos com visto de turista B1/B2 e, após o vencimento do tempo de permanência, simplesmente “ir ficando’’ no país pode ser mais perigosa do que nunca. Um dos grandes problemas dos imigrantes indocumentados é a falta de carteira de motorista, isso é justamente o que vem atraindo as pessoas ao visto de estudante.

“Se a pessoa estiver dentro do status seguindo as leis e regras, o risco de deportação com o visto F1 e praticamente zero. Mas se a pessoa estiver quebrando as regras como trabalhando e etc sempre existe um risco, não é grande mas o risco existe’’, esclarece o advogado, Ludo Gardini.

O advogado explica que a mudança de status tem levado de quatro a 8 meses, mesmo assim a procura tem aumentado já que o governo americano não apontou nenhuma mudança neste tipo de visto. “Não acredito que haverá mudanças para F1’’, salientou o advogado.

 

USAHelp4U – Bolsa de Estudos 2017

Informe-se!

[mc4wp_form id=”1978″]

 

 

O estudante internacional pode adquirir a carteira de habilitação pelo tempo em que ficará estudando no país. Seja ele estudante de curso de inglês, técnico ou universidade. Além disso, há a possibilidade de renovação (por enquanto) por tempo indeterminado. Durante o tempo de espera pela mudança do B1/B2 para o F1, o estudante não é obrigado a frequentar as aulas. É comum encontrar brasileiros que renovam o visto F1 por anos a fio.

Ajuda

‘’De fato, a procura por informações sobre escolas inglês com as quais é possível solicitar o visto F1 mais do que dobrou na última semana. Os brasileiros estão procurando uma alternativa’’, diz a diretora da ONG, USAHelp4U, Joselina Reis.

A ONG tem uma lista de escolas de inglês que oferecem o formulário I-20 com o qual obtém-se o visto de estudante e também oferece cupons de desconto de até 40% nas mensalidades.  ‘’Algumas escolas dão cupons de descontos generosos, mas o número de cupons é limitado”, lembra a diretora.

“O pedido de mudança de B1/B2 para F1 está sendo muito procurado ultimamente. O processo de mudança continua devagar para alguns estudantes, mas isso os ajudam a organizar sua vida e situação enquanto esperam a aprovação do pedido’’, esclarece o diretor da escola Lingua Language Center, Erwin Richter.

Vale lembrar que há diferenças entre o visto de estudante internacional (F1) – solicitado por qualquer estudante internacional – e os estudantes indocumentados protegidos temporariamente com a ordem executiva do ex-presidente Barack Obama, Deferred Action for Childhood Arrivals (DACA). O destino desses últimos ainda não foi decidido pelo novo presidente.

O presidente americano, Donald Trump, comprou uma briga na justiça tentando barrar temporariamente a entrada de imigrantes e refugiados de sete países do Oriente Medio. Para o Brasil, as mudanças incluem apenas a necessidade de comparecer para entrevista, exigência que anteriormente não era necessária em alguns casos.

 

Brasil

Segundo o US Departament of State’s Bureau of Consular Affairs, o setor de intercâmbios movimentou US$ 34 bilhões em 2015 no país. O Brasil ocupava, até 2015, o sexto lugar entre os países que mais enviavam estudantes aos Estados Unidos, segundo o relatório anual Open Doors, do IIE (Instituto de Educação Internacional).

Na semana passada, o embaixador brasileiro em Washington, Sergio Amaral, disse acreditar que em curto prazo, a concessão de vistos àqueles que fazem visitas frequentes aos EUA, seja a negócios ou para algum tipo de intercâmbio, poderá ser facilitada na gestão Trump.

O Brasil é um dos dez países que mais enviam turistas aos Estados Unidos.

 

Bolsas de estudos e oportunidade de trabalho no exterior

Fundação oferece mais de 100 mil euros em bolsas de estudo na Espanha

Fundação MAPFRE oferece 150 mil euros em bolsas de estudo para pós-graduação na Espanha. O programa acadêmico, de um ano letivo completo, abrange as seguintes áreas: análise técnico-atuarial, previdência social, direito dos seguros, gestão e organização das empresas de seguros, contabilidade e análise econômica financeira das companhias de seguros. As inscrições podem ser feitas até o dia 25 de setembro por meio do site oficial. (http://www.fundacionmapfre.org). Os interessados devem imprimir o formulário on-line e enviá-lo juntamente com o restante da documentação solicitada antes de 25 de setembro de 2015 para o seguinte endereço: FUNDACIÓN MAPFRE – Área de Seguro y Previsión Social. Becas de formación especializada para estudiantes de postgrado. Bárbara de Braganza 14, 2ª planta. 28004 Madri – Espanha

 Oportunidades internacionais para jornalistas

Veja abaixo oportunidades para jornalistas fora do Brasil. As inscrições estão abertas.

Bolas do World Nomad de visage de documentário – Prazo final: 7 de setembro. Documentaristas aspirantes podem se inscrever para uma viagem para captar a cultura e as comunidades na costa do Pacífico da Colômbia. A viagem vai acontecer de 21 de novembro a 3 de dezembro. Os vencedores vão passar sete dias filmando na Colômbia e três dias em um workshop em Bogotá.

Bolsa de reportagem de saúde da National Press Foundation – Prazo final: 8 de setembro.  A National Press Foundation dos Estados Unidos oferece bolsas de viagem a jornalistas interessados em saúde do pulmão para cobrir a 46° Conferência Mundial da União de Tuberculose e Saúde Pulmonar na Cidade do Cabo, África do Sul.

Bolsa de jornalismo investigativo internacional – Prazo final: 8 de setembro. O Fund for Investigative Journalism oferece bolsas de $5,000 para apoiar projetos de jornalismo investigativo em todo o mundo. As bolsas cobrem despesas de viagem, mas não salários ou equipamento. Todas as propostas devem ser apresentadas em inglês e incluir um orçamento detalhado

Bolsas TED  Prazo final: 20 de setembro. Inovadores, fotógrafos e empreendedores podem concorrer a uma bolsa de viagem da TED (Tecnologia, Entretenimento e Design) para Vancouver, no Canadá. Vinte bolsistas serão selecionados para a conferência TED de 15 a 19 de fevereiro de 2016. Os participantes também terão a oportunidade de participar de programas pré-conferência de treinamento de palestrantes.

Bolsas de reportagem do GroundTruth – Prazo final: 22 de setembro. O GroundTruth Project busca candidatos para até cinco bolsas de reportagem em novembro. Os bolsistas vão viajar para a França para cobrir a Conferência do Clima em Paris 2015 em dezembro e trabalhar com a equipe do GroundTruth para dar forma a um pacote multimídia que será reportado ao longo dos próximos três anos. Mais informações sobre todas essas bolsas no site http://ijnet.org.

Alemanha oferece bolsas de estudo para jovens ‘líderes’

A Fundação Alexander von Humboldt está com inscrições abertas para o programa German Chancellor Fellowship que dará bolsas de estudo de um ano para pesquisas em universidades alemãs. Os selecionados também receberão mentoria e apoio no desenvolvimento de suas carreiras, além de conhecerem diversos líderes e representantes de empresas e instituições alemãs.

A bolsas de estudos cobre os gastos com a viagem e oferece ao estudante um auxílio para viver na Alemanha, que pode chegar a 2.750 euros por mês.

Para se candidatar, é preciso ter concluído um curso de graduação, ter fluência em inglês ou alemão e demonstrar capacidade de liderança. As vagas são para profissionais que atuam especialmente nas áreas de Políticia, Economia, Mídia e Comunicação. O prazo para inscrições vai até o dia 15 de setembro pelo site da Fundação (https://www.humboldt-foundation.de).

 Rússia busca estrangeiros de 74 profissões

São Paulo – A demanda de desenvolvimento da indústria da Rússia é uma boa notícia para profissionais estrangeiros interessados em se estabelecer definitivamente no país.

Em vigor desde o começo de julho, um decreto do Ministério do Trabalho da Rússia facilita a concessão de cidadania russa para pessoas de 74 profissões, em especial das áreas de engenharia, medicina, além de profissionais técnicos, segundo informações publicadas pelo jornal russo Rossiyskaya Gazeta.

Na lista estão médicos (cardiologistas, pediatras, médicos da família), veterinários, fisioterapeutas, enfermeiros, farmacêuticos, matemáticos, engenheiros (civis, de projetos, eletricistas, da área de tecnologia, de qualidade, de metrologia, entre outros). Entre os profissionais técnicos, estão torneiro mecânico, tecnólogo, técnicos de laboratório, soldadores, e outros. Há ainda cargos de gestão como, por exemplo, diretor de economia e engenheiro chefe de projetos.

Para participar do processo, o profissional precisa obter um tipo de visto específico dado aos interessados em conquistar a cidadania russa. Antes, era preciso ter completado um ano de residência temporária na Rússia para ter o direito à residência definitiva. Agora, não há mais esta obrigação. A lista completa das ocupações está em russo e pode ser conferida no site da Rossiyskaya Gazeta. (http://www.rg.ru/2015/08/03/grazdanstvo-dok.html).

botao menor interno

As semelhanças e diferenças entre os vistos L1 e H1B para os Estados Unidos

Por Attila de Andrade

Advogado

Há uma crescente busca de vistos L1 and H1B por conta do incremento das relações comerciais entre o Brasil e os EUA. Todavia, esses vistos têm se confundido na prática diária do processamento de vistos. A primeira semelhança entre os dois tipos de vistos consiste em que ambos se referem a um pedido de permanência temporária nos EUA.

Segundo, o solicitante ao visto não precisa comprovar laços com o país da empresa contratante do executivo ou empregado. Terceiro, ambos permitem o pedido de “premium process”. Mediante o pagamento de uma taxa ao Departamento de Imigração, a resposta ao visto pode ser concedida mais rapidamente.

As diferenças são as seguintes. O visto L1 é o que concerne ao pedido de uma empresa de um funcionário para uma subsidiária americana dessa empresa. Por exemplo, a empresa brasileira contrata um executivo para trabalhar na sua subsidiária americana. O funcionário em questão, deverá comprovar um vínculo empregatício anterior de no mínimo 1 (um) ano com a empresa brasileira. Por sua vez, a empresa brasileira deva comprovar que exista há algum tempo, mediante balanços e comprovante de rendimentos tributados no Brasil. Isto tudo para evitar qualquer tentativa fraudulenta a respeito da empresa brasileira contratante.

Já no caso do visto H1B não precisa ser uma empresa brasileira, a contratante. Pode ser uma empresa americana contratando um funcionário estrangeiro, por exemplo um cidadão brasileiro. Esse visto é mais complicado porque a empresa americana contratante do executivo ou funcionário estrangeiro deva fundamentar e comprovar que o tipo de “expertise” do funcionário estrangeiro contratado não exista nos EUA (o que obviamente é muito difícil). Ademais apenas um número determinado de vistos H1B é reservado ao ano para aprovação. Portanto o visto H1B é mais dificil de se obter do que o visto L1.

Há certas classes trabalhadoras onde há uma certa facilidade para concessão de vistos H1B. Geralmente são classes onde haja uma escassez de profissionais nos EUA. É o caso por exemplo, de enfermeiras qualificadas. Sabe-se que milhares de enfermeiras tem sido premiadas pela concessão de vistos H1B contratadas por hospitais americanos. Esse tipo de profissionais muda de ano a ano, dependendo das condições de trabalho prevalentes nos EUA.

Outra grande vantagem dos vistos L1 e H1B, dependendo das circunstâncias, caso a caso, ambos possam depois de algum tempo, conduzir o solicitante ao pleito do chamado “green card”, ou seja o visto de residência permanente. Esse atende particularmente às enfermeiras estrangeiras a quem tenha sido concedidos os vistos H1B.

Qualquer dúvida sobre vistos entrem em contato com o advogado brasileiro Atila Andrade pelo email ….. attilandradejr2013@gmail.com.

 

botao menor interno

 

 

 

Artigo publicado originalmente pelo jornal AcheiUSA.

Bolsas de estudos no exterior para ensino médio e pós-graduação

17 de julho

 

Confira bolsas de estudos com inscrições abertas

Bolsas para ensino médio – Programa Jovens Embaixadores levará alunos do ensino médio da rede pública para um intercâmbio de três semanas nos Estados Unidos. Entre os requisitos para participar, está bom nível de inglês e participação em trabalhos voluntários há pelo menos um ano. Saiba mais pelo website http://www.estudarfora.org.br/programa-jovens-embaixadores-abre-inscricoes/. Inscrições até 9 de agosto.

Bolsas de Pós-graduação – Governo mexicano oferece a estudantes internacionais bolsas de estudo para cursos de especialização, mestrado e doutorado nas mais diferentes áreas em 70 universidades do país. Saiba mais no website: http://www.estudarfora.org.br/mexico-oferece-bolsas-de-estudo-para-pos-em-70-universidades/. Inscrições até 31 de agosto.

Bolsa para pesquisa acadêmica – Fundação Alexander von Humboldt — que promove a cooperação entre acadêmicos do exterior e da Alemanha – concederá bolsas de estudo para um ano de pesquisa na Alemanha. O programa busca profissionais que tenham “notória capacidade de liderança” e trabalhado em áreas como política, economia, administração, mídia e cultura. Saiba mais no website: http://www.estudarfora.org.br/concorra-a-bolsas-de-estudo-para-um-ano-de-pesquisa-na-alemanha/. Inscrições abertas até o dia 15 de setembro

 

Intercâmbio em qualquer idade

Não existe idade certa para fazer um intercâmbio. O importante é estar aberto a novas experiências e ter vontade de explorar o diferente.  Para algumas pessoas, a hora certa para morar fora é aos 16 anos. Para outras, só aos 35. Para outros o grande barato é estar com toda a família. Veja abaixo alguns tipos de intercambio e escolha o que melhor se adequa ao seu estilo.

Intercâmbio na adolescência – Existem programas especialmente pensados para crianças e adolescentes entre 6 e 17 anos.  Geralmente os programas têm duração de uma a oito semanas e acontecem nas férias de final de ano (dezembro e janeiro) e férias escolares de junho, julho e agosto. Os principais destinos são: Estados Unidos, Canadá, Inglaterra, Austrália e França.

Intercâmbio em família – Essa modalidade tem despertado cada vez mais interesse de pessoas mais maduras, com filhos e com vontade de explorar outras culturas. Há escolas que oferecem atrações para a família toda, geralmente em período de férias.  Os pais ainda têm a opção de ficarem livres para os passeios enquanto os filhos participam de programações mais atrativos para eles.

Intercâmbio com Idioma e diversão – Escolas em mais de 40 destinos pelo mundo oferecem cursos de idiomas combinados com alguma atividade –como fotografia, tênis, golfe, escalada, ioga, dança, esportes de inverno e outros. Esses programas são ideais para quem quer estudar por um período e fazer uma atividade que goste. É a oportunidade de aprender um idioma de maneira bem diferente.

Intercâmbio idioma e voluntariado – É uma ótima oportunidade para conhecer um país diferente e ajudar outras pessoas. Além disso, o voluntariado tem sido utilizado como critério de seleção por algumas empresas na hora de escolher seus futuros funcionários. O programa costuma sair mais barato que os demais, mas ainda assim o intercambista costuma ter despesas com acomodação, alimentação e transporte –além da passagem aérea.

Intercâmbio idioma e trabalho – Esses são os programas mais procurados nos países onde os brasileiros podem estudar um novo idioma e ter uma experiência profissional. A lista inclui: Austrália, Nova Zelândia e Irlanda. Em todos eles, os alunos precisam adquirir cursos de inglês em escolas qualificadas. O período mínimo varia de 14 semanas a seis meses.

 

Bolsas de estudo no exterior para alunos do Ensino Médio

O projeto United World Colleges (UWC), associação com escolas de Ensino Médio de 14 países diferentes, oferece bolsas parciais e integrais para estudantes. As inscrições para o processo seletivo podem ser feitas pelo site da organização até o dia 9 de setembro. A taxa de inscrição, até o dia 14 de agosto, é de R$ 60. Após esse período, o custo passa a ser de R$ 90.

É necessário ter entre 15 e 18 anos de idade e estar cursando um dos dois primeiros anos do Ensino Médio para participar. Falar inglês é desejável, contudo, não é obrigatório. O processo de seleção envolve 3 etapas. Para o ano escolar de 2015 a 2017 nove brasileiros já foram selecionados. Eles irão estudar na América do Norte, Europa, e Ásia. Eles viajam em agosto de 2015. Outras informações sobre o processo seletivos pelo website http://www.uwc.org.br/processo-seletivo.

Mix: Estudar no exterior; Emprego no Canadá; Erros de intercambistas

Destinos alternativos para estudar no exterior

Estudante sempre tem pouco dinheiro, por isso tome nota dessas dicas de destinos alternativos no exterior. São lugares onde não custa tanto e o estudante ainda pode aliar o idioma com atividades extracurriculares.

Nos Estados Unidos, a melhor opção é Havaí. Na Europa, a mais econômica opção é Malta. E a asiática Singapura e Nova Zelândia, na Oceania, também são boas alternativas. Um mês de estudo nesses locais alternativos pode sair por cerca de 8 mil reais.

Havaí – O Havaí é ideal para os amantes da natureza e que têm interesse em praticar o surfe paralelamente ao estudo do idioma inglês.

Ilha de Malta – A ilha fica ao sul da Sicília, na Itália. Por sua importância histórica, é bastante procurada por quem gosta de arquitetura e história. É possível ter aulas de inglês em campo e visitar as construções e locações usadas em filmes. Além disso, o inglês de lá é britânico, por isso é uma opção muito mais econômica do que a Inglaterra, na Europa – a economia chega a 40%.

Singapura – No sul da Península da Malásia, Singapura oferece um dos melhores IDH do mundo. Os profissionais e estudantes que mais buscam o local são os de área de tecnologia e mercado financeiro, pois há aulas voltadas especificamente para os dois setores – Singapura é considerada o Vale do Silício asiático.

Nova Zelândia – Nova Zelândia é outra opção para quem gosta de ficar em contato com a natureza e praticar esportes radicais.  O dólar do país caiu em relação ao americano, por isso fica ainda mais atrativo aos brasileiros.

 

 

Mercado de trabalho para imigrante no Canadá

A região do Quebec há anos mantém um programa de imigração especial para profissionais qualificados. Um dos pré-requisitos é ter menos de 35 anos. A região não para de crescer, principalmente nas áreas de áreas de TI, administração, engenharia, contabilidade e marketing. A outra boa notícia é que eles adoram os trabalhadores brasileiros pela facilidade que eles têm em se adaptar.

Para este ano, a previsão de aceitação de vistos permanentes é de 6.300 para todo o mundo.

Para se candidatar é preciso saber falar francês, poucos sabem, mas a língua oficial do Quebec é a francesa.  Depois disso, ter um bom curriculum é fundamental. Uma formação universitária sólida, com boas notas conta bem no processo.

Outras informações sobre o processo de imigração permanente para o canada no site oficial – http://www.cic.gc.ca.

 

10 erros mais comuns dos intercambistas

 

Nem sempre dinheiro vai resolver todos os seus problemas. Na hora de fazer um intercâmbio, que realmente vá trazer o retorno esperado, é melhor colocar na balança vários fatores que podem fazer da sua viagem um bom ou mau investimento. Veja abaixo alguns erros comuns e tente evitá-los, se possível.

1 – Falta de informação – O estudante não pesquisa a fundo sobre o destino e acaba escolhendo o lugar errado.

2 – Perfil incompatível com o lugar – Um lugar frio pode parecer encantador nas fotos e filmes, mas se você não costuma gostar de baixas temperaturas é bom evitar esses destinos.

3 – Momento errado – O momento certo para fazer um intercâmbio é quando a pessoa realmente quer passar por essa experiência e tem vontade de conhecer o diferente. Mente aberta e preparada.

4 – Achar que “lá fora” o mundo é perfeito –  A experiência será diferente, em um local diferente, e não, necessariamente, em um país perfeito.

5 – Não se preocupar com a saúde – A maioria não se preocupa em consultar um médico antes de deixar o país e não quer fazer nem mesmo um seguro de saúde. Depois, acaba enfrentando transtornos e pode acabar tendo gastos altos e inesperados com consultas e emergências.

6 – Escolher o mais barato – É comum o arrependimento depois, porque o pacote não tem nada a ver com o estilo da pessoa, porque o destino não agrada, porque a escola não oferece o que a pessoa esperava e muitas outras decepções.

7 – Arrumar a mala sem pensar no destino – O primeiro passo é verificar qual o clima do destino na época em que a pessoa estiver para chegar.

8 – Não buscar ajuda profissional – Existem muitas opções de destino, escola e acomodação e, na hora de escolher, o estudante fica perdido.

9 – Achar que o intercâmbio resolve tudo – Às vezes ajuda a ultrapassar um momento ruim, na maioria dos casos, os problemas ficam piores e a experiência pode virar um pesadelo.

10 – Não avançar no aprendizado do idioma – É comum a frustração quando a pessoa escolhe um idioma para estudar e não percebe nenhuma mudança na sua fluência. A culpa é do próprio estudante, pois o progresso depende muito do esforço dele fora da sala de aula.

 

 

 

Cresce êxodo brasileiro rumo aos Estados Unidos

AcheiUSA (com InfoMoney e WSJ) – A instabilidade econômica pela qual o Brasil está passando e os altos preços dos imóveis nas grandes cidades têm feito com que muitos brasileiros mudem para outros países – e o movimento já representa o maior êxodo brasileiro rumo a Miami desde 2010. De acordo com dados da corretora de imóveis Miami Luxury, os brasileiros representam 13% dos compradores internacionais do estado da Flórida, ficando atrás apenas dos canadenses. Desse total, 47% adquirem imóveis para passar férias e 17% como investidores.

Além disso, a expectativa é que o primeiro semestre de 2015 seja registrado por um aumento de 20% no número de compradores. O diretor da Miami Luxury, José Carlos Bede Souza, afirmou que existem dois perfis básicos dos compradores que vão para os Estados Unidos: os casais já com certa idade, com mais dinheiro e que estão pensando nas férias e aposentadoria; e os jovens bem qualificados que estão descrentes com a política nacional.

A demanda principal é por imóveis em Miami. A maior vantagem é o preço: um apartamento em Miami, formato de Studio, de 64 m², com um quarto e um banheiro, em um dos lugares mais nobres de Miami, cozinha e banheiro completos, piso acabado em todo apartamento, pronto para morar com 3 mil m² de área de lazer custa US$ 273 mil, o equivalente a R$ 773 mil, de acordo com a cotação do Banco Central do Brasil do dia 10 de fevereiro de 2015.

Em São Paulo com este valor, só dá para comprar um imóvel com características semelhantes na zona oeste de São Paulo, porém, com a metade da metragem de Miami, sem estar mobiliado, precisando de reforma. Nos Jardins, um dos pontos mais valorizados na capital paulista, o valor seria pelo menos o dobro.

Aversão à política
Na segunda-feira (9), uma reportagem veiculada pelo jornal Wall Street Journal, um dos mais respeitados dos Estados Unidos, afirmava que a reeleição de Dilma é que estaria provocando a debandada de brasileiros ricos rumo à Flórida.

“Depois da última eleição, conversamos com muita gente preocupada em tirar seu capital do Brasil”, disse ao jornal Alyce M. Robertson, diretora executiva da Agência de Desenvolvimento do Centro de Miami. O que preocupa essas pessoas, tanto no Rio de Janeiro quanto em São Paulo, “é principalmente a [situação] política”.

Embora não haja dados exatos, profissionais de Miami, como corretores imobiliários, banqueiros, lojistas e advogados de imigração, dizem que um número crescente de brasileiros ricos está tentando se mudar para a região, abrir empresas ou procurando obter residência ou cidadania americana para si e suas famílias.

“Eles se preocupam principalmente com a instabilidade do ambiente político no Brasil. Eles não querem ser os últimos a sair”, diz Genilde Guerra, uma advogada do escritório Kravitz & Guerra, em Miami. Guerra diz que o número de telefonemas que seu escritório recebe de brasileiros em busca de ajuda para obter um visto, comprar imóveis ou abrir firmas nos Estados Unidos aumentou dez vezes desde a eleição de Dilma. “Eles querem ter uma segunda nacionalidade, um segundo lugar para onde ir, e os EUA são o melhor lugar para isso”, diz Guerra.

Dos 200 milhões de habitantes do Brasil, quase 3 milhões vivem hoje fora do país, segundo dados do Ministério das Relações Exteriores relativos a 2013. Cerca de um terço desses emigrados estão nos EUA. Firmas que monitoram brasileiros que fazem negócios na Flórida estimam que haja, hoje, entre 250 mil e 300 mil brasileiros morando no Estado. Os brasileiros também representam a maioria dos turistas de Miami, tendo chegado em 2013 a uma proporção de 51% do total.

 

botao menor interno

Fonte: Texto originalmente publicado pelo jornal AcheiUSA em 13/02/2015.

Os tipos de vistos que os brasileiros podem requerer nos Estados Unidos

Por Attila Andrade

Advogado

attilaandradejr@yahoo.com

 

Vamos considerar neste artigo os principais vistos que os brasileiros podem requerer nos EUA para que possam residir legalmente neste país. Há dois tipos genéricos de vistos: o visto de residência temporário e o visto de residente permanente. Vamos estudá-los nessa mesma ordem de apresentação.

Os vistos de residência temporário são o L1 e o visto H1B. O visto de residência temporário L-1 consiste em enviar uma pessoa vinculada a uma empresa brasileira que venha a ser transferida para trabalhar numa filial ou subsidiária americana dessa mesma empresa brasileira. O visto L1 se subdivide em L1-A e L1-B.

No visto L1-A se destina a empregados da empresa brasileira que venha trabalhar na empresa americana filial ou subsidiária da empresa brasileira na capacidade de diretor ou gerente. Ele há que demonstrar que está na companhia há mais de um ano nos últimos três anos precedentes ao pedido. Já no visto L1-B se refere a posições de empregados técnicos, com especialização e deverão preencheer os mesmos requisitos do visto L1-A, ou seja, venham trabalhar nas mesmas funções técnicas em que estavam trabalhando na empresa brasileira há mais de um ano, nos três últimos anos precedentes.

 

Concurso 2019 de Bolsas de Estudos nos EUA

 

Aqui é preciso ter-se muito cuidado. Não adianta constituir-se uma empresa de papel no Brasil para tentar o L1-A ou B. O departamento de imigração vai exigir um histórico que compreende não somente a parte jurídica da constituição senão os balanços dos últimos 3 anos de funcionamento, prova de que a empresa brasileira tenha vinculação societária pertinente com a empresa americana para a qual o funcionário esteja sendo transferido e o quadro organizacional de funcionários da empresa brasileira.

Outros documentos importantes são o contrato de locação do estabelecimento americano e finalmente o contrato de trabalho ou a carta especificando as funções que o empregado irá desempenhar na sociedade americana. Finalmente, panfletos com material de marketing, especificando os produtos a serem fabricados e vendidos. Com isso se veda qualquer possibilidade de fraude para obtenção do L1.

Finalmente há que se ressaltar que o visto L1 é temporário. É necessário definir-se quanto tempo o profissional, seja na área gerencial ou diretiva, seja na área técnica de especialização será necessário na filial ou subsidiária americana. Esse tempo vai balizar o tempo de concessão do visto L1.

O outro visto temporário é o visto H-1B. Este tipo de visto se destina a trazer empregados para trabalhar para uma empresa americana por tempo determinado (esta empresa não precisa ter qualquer equivalente ou vinculação com uma empresa brasileira). Há vários requisitos: (1) a função a ser desempenhada pelo empregado há de ser condizente com a experiência curricular-acadêmica do solicitante.

Assim, um engenheiro não pode vir trabalhar numa função que não seja a de engenheiro. (2) há que existir um contrato de trabalho entre o profissional que está sendo contratado e a empresa que o está contratando. (3) há que ser uma função ou especialidade que não possa ser preenchido(a) por um profissional já residente nos EUA. Ou seja esse tipo de visto não pode representar perdas de oportunidades de trabalho para americanos ou residentes nos EUA.

Para isso, fazem-se algumas publicações em periódicos para saber se a vaga não possa ser preenchida por aqueles. Finalmente convém-se dizer que esse tipo de visto está cada vez mais difícil de ser obtido ou concedido. Há anualmente apenas 65.000 vistos a serem concedidos nesta tipificação H-1B.

Outro tipo de visto para residência temporária é o visto O1 . Este visto é concedido para pessoas de extraordinária habilidade ou conhecimento. Geralmente é concedido para cientistas, artistas e atletas com extraordinárias habilidades e reconhecimento em seu campo de atuação. Este visto também é analisado com muito rigor. É necessário que seja uma pessoa realmente reconhecida como excepcional em seu campo de trabalho. Normalmente concede-se a quem tenha recebido um prêmio Nobel ou prêmios nacionais de reconhecida reputação.

Na área acadêmica, preve-se para profissionais com inúmeras publicações de livros e trabalhos de reconhecida reputação nas respectivas áreas. Ou seja, não são profissionais de apenas talento, senão pessoas absolutamente extraordinárias de reconhecimento nacional e/ou internacional que farão parte deste distinto grupo de solicitantes ao visto O1.

Finalmente o outro tipo de visto de residência temporária é o visto E-2. O primeiro visto de que trataremos é o visto E-2 que dará direito ao solicitante de permanecer nos EUA até 5 anos, desde que preenchidos os requisitos básicos aqui identificados.

Em primeiro lugar, requer-se um investimento mínimo de US$100,000 (cem mil dolares) num negócio a ser constituído ou já existente. O negócio deve ser comercial/industrial e deverá ser sobretudo financeiramente viável. Entenda-se assim que a viabilidade estará pautada pelo requisito de que o negócio possa gerar mais do que o necessário para o imigrante e sua família subsistirem nos EUA.

Por exemplo, nessa categoria, seria admissível um investimento num restaurante ou qualquer outro negócio existente ou por existir. Portanto, nada de negócio virtual ou empresa de fachada e coisas do gênero. Há que ser um negócio real de natureza comercial ou industrial. Ainda com referência ao visto E2 , a origem dos fundos há que ser obviamente lícita.

Os recursos do investimento podem estar no exterior ou mesmo nos EUA, mas devem ser sempre previamente comprovados. Após o período do visto, o visto E2 poderá ser renovado desde que comprovado o êxito do investimento originário ao qual se vinculou o primeiro pedido. Todavia este tipo de visto infelizmente não alcança aos brasileiros, pois requer-se se referir a cidadãos cujos países tenham tratados com os EUA e o Brasil não é um desses países.

Todavia, a Itália é um país com tratado. Assim cidadãos brasileiros com dupla cidadania, por exemplo, poderão requerer esse tipo de visto desde que o façam como cidadãos italianos.

Vamos agora examinar um tipo de visto relativamente recente que tem gerado muitas dúvidas. Trata-se do visto EB-5 que outorga direito ao solicitante, se aprovado o visto, de permanecer nos EUA em caráter permanente, ou seja na qualidade de “residente permanente”.

Há duas subespécies ou categorias do visto EB5. Há o visto a ser concedido pelo investimento do imigrante estrangeiro em que se requeira um investimento mínimo de US$500,000 . Chamemos este tipo de visto (apenas para efeitos de classificação e do nosso artigo), de EB5 ( categoria A) . No visto EB5 “categoria A” requer-se um investimento relativamente modesto.

Convenhamos, é o produto de venda de um apartamento no Rio ou em São Paulo, de três quartos! Todavia aqui há um “macete”. O imigrante, solicitante deste visto, não poderá escolher onde colocar seu dinheiro… ou seja existem já pré-qualificados em diversos pontos do território americano, diversos projetos de interesse do governo americano em promover. São os chamados “designated Regional Centers”, ou seja, “Centros Regionais designados”.

Geralmente, áreas onde há um nível grande de desemprego sob a ótica do governo dos EUA ou ainda em áreas em que os EUA tenha interesse de promover o crescimento econômico. Sem prejulgar, mas o leitor poderá conceber que são investimentos de maior risco. O raciocínio é simples e lógico. Se há uma área onde já pré-exista um nível grande de desemprego, talvez porque a área a desenvolver não seja lucrativa… e portanto oferecendo a possibilidade do imigrante de investir um valor menor, mas em contrapartida, fazendo que o investidor assuma um risco maior; “obrigando-o” ( por assim dizer) , a colocar seu dinheiro num tipo de investimento em que normalmente ele/ela não o faria em primeiro lugar.

O segundo visto , em meu julgamento é mais interessante. Digamos o visto EB 5 (vamos chamá-lo de “categoria B “). Neste, requer-se um investimento bem maior, ou seja, US$1 milhão de dolares, mas em contrapartida, admite-se que o solicitante ao visto tenha plena liberdade de escolher onde investir seu dinheiro.

Poderá ser um investimento comercial ou industrial já existente ou por existir. Aqui como em todas as espécies de vistos EB, a origem dos fundos deve ser comprovada e ser absolutamente legítima. Aqui como nas demais espécies de visto EB, o pleiteante deverá estar munido de um plano de negócios, um plano de marketing e de viabilidade micro-econômica. Um ponto igualmente importante em todas essas espécies de visto EB aqui considerados será a capacidade do investimento estrangeiro nos EUA de gerar empregos.

Assim, quanto maior a geração de empregos nos EUA através do projeto de investimento EB, maiores as chances dele ser aprovado e assim possibilitar ao solicitante a concessão do visto.

Texto originalmente publicado no jornal AcheiUSA.

 

botao menor interno

Como funciona o visto EB-5 para negócios nos EUA

 Mercado americano atrai cada vez mais brasileiros com recursos para investir e com vontade de deixar o Brasil

 Enquanto alguns brasileiros tentam entrar nos EUA a nado e são presos na praia outros encontram as portas abertas e embarcam em uma aventura financeira com altas probabilidades de sucesso, acima de 90% de aprovação garantida. De quebra levam green card temporário por dois anos e depois disso ganham a residência permanente e, dentro do prazo de cinco anos, recebem a cidadania americana. Esse é o caminho que muitos brasileiros com patrimônio entre 500 mil a um milhão de dólares estão fazendo.

Renata Castro Alves, gerente de projetos da Exclusiva Visas (empresa que oferece assessoria na obtenção do visto de investidor), acredita que pelo menos 15% da clientela da sua empresa é brasileira. “Todos os dias temos ligações de brasileiros interessados nesse tipo de investimento porque percebem ser uma ótima opção para se tornarem residentes”, afirma a executiva, que aposta no aumento da demanda assim que o preço do dólar em relação ao real voltar a um patamar mais aceitável.

Renata conta que as histórias se repetem. Na maioria, os interessados são pessoas que foram vítimas da violência, principalmente em São Paulo, e agora querem encontrar um lugar mais seguro para educar os filhos. “Tem um interesse comercial no EB-5, mas existe, por parte dos brasileiros, um interesse emocional muito grande na chance de morar fora do Brasil. Alguns de meus clientes sofrem de síndrome do pânico porque não se sentem seguros no Brasil. São pessoas que foram sequestradas, tiveram suas casas ou empresas roubadas mais de uma vez e agora querem outro estilo de vida”, revela a gerente de projetos. Ela garante ainda que a cada 10 ligações de interessados no EB-5, sete são de brasileiros, deixando os chineses e russos para trás.

O advogado Anthony Korda, ele mesmo um ex-investidor vindo da Europa, lembra que os centros regionais de investimento representam um negócio mais eficaz e com maiores chances de sucesso do que abrir seu próprio negócio e correr o risco, sozinho, de falhar. “A maioria desses centros fica localizada em áreas estratégicas, já passou por um processo de aprovação e muitos estão funcionando, por isso 95% dos investidores preferem investir em um centro regional ao invés de abrir o próprio negócio”, argumentou o investidor que deixou a Inglaterra em 2006 usando o mesmo sistema adotado agora pelos brasileiros.

Para o empresário americano Joe Slodoba, o investimento estrangeiro foi um bom negócio. Ele é dono da rede de restaurantes VooDoo Barbecue and Grill e para cada quatro restaurantes abertos por ele há dez investidores estrangeiros, sendo que cada loja emprega cerca de 67 pessoas, direta e indiretamente. “Foi uma excelente alternativa e planejamos ampliar o número de lojas, chegando a Boca Raton no início de 2014”, lembra ele que inaugurou sua mais nova loja em outubro em Fort Lauderdale.

Veja como funciona o visto EB-5 para negócios nos EUA:

Como funciona o visto EB-5? E a família do investidor também é beneficiada?

O visto EB-5 foi criado para atrair investidores estrangeiros, em contrapartida o governo americano oferece green card provisório de dois anos e, se o negócio em que ele investiu continuar existindo e empregando pelo menos 10 pessoas, o investidor tem direito a requerer residência permanente. Dali a três anos, se quiser, pode requerer a cidadania americana. Mas o investimento tem que ser de 500 mil ou um milhão de dólares, não existe valor intermediário. E o negócio em que ele vai investir o dinheiro precisa estar em uma área designada pelo governo e aprovado pelo governo como um empreendimento que se qualifica para investimento estrangeiro. O negócio precisa ser uma nova empresa. A família do investidor, incluindo esposa e filhos abaixo de 21 anos, também consegue o benefício do green card. Ele investe no negócio, mas não é dono ou tem nenhum tipo de envolvimento na administração, é apenas o dinheiro dele que entra como um empréstimo e ele recebe de volta parte do dinheiro após cinco anos. Em alguns casos quase todo o dinheiro de volta.

Quem pode ser o investidor?

Não é qualquer pessoa que pode investir. Ele precisa provar de onde veio o dinheiro. Nisso os brasileiros estão se dando bem, porque já vêm de uma tradição tributária forte, por isso, na maioria das vezes, os brasileiros investidores têm toda a documentação correta e não acham nada difícil o EB-5, por isso são aprovados mais rápidos do que outros países. Normalmente esse processo leva de quatro meses a um ano. Para garantir o sucesso de cada investidor, nós fazemos um diagnóstico completo do cliente antes de apresentar os projetos aptos a receber investimentos, se ele não passar pelos critérios, não segue adiante.

O investidor pode abrir seu próprio negócio ao invés de investir em um empreendimento já designado pelo governo americano?

Sim pode. Mas quando vê que 500 mil dólares não é o suficiente para abrir nenhum tipo empreendimento aqui nos EUA com 10 empregados em período integral, pagar as taxas e se manter o tempo necessário para se qualificar para o green card permanente ele desiste. O investidor percebe que o melhor negócio é encontrar uma oportunidade de investimento dentro dos centros regionais estabelecidos pelo governo americano. Mas a dica é saber escolher esse negócio em que ele vai investir, porque se o negócio fechar as portas antes dos dois anos o investidor vai perder o green card. Por isso a necessidade de escolher uma empresa competente para assessorá-lo. É como um casamento com um cidadão americano, a diferença é que o investidor ‘casa’ com uma empresa americana.

 Tem muitos brasileiros investindo nos EUA?

 Todo dia recebemos telefonemas de brasileiros interessados em sair do Brasil e morar definitivamente nos EUA. São empresários que não encontram o mesmo tipo de segurança e estilo de vida no Brasil. São pessoas que já sofreram algum tipo de violência como sequestro, assalto, roubo e querem um local mais seguro para criar os filhos. Muitos continuam entre os dois países, deixando a família nos EUA e mantendo somente negócios no Brasil. Tivemos vários clientes brasileiros aprovados.

 Quais são as dificuldades em conseguir aprovação no processo de EB-5?

A parte mais difícil é provar de onde vem o dinheiro investido. Muitos países têm taxação diferente dos EUA e as pessoas acabam usando muito dinheiro por baixo do pano o que dificulta. Os EUA também querem evitar ao máximo a lavagem de dinheiro, por isso a fonte dos recursos é um grande problema na hora do EB-5. No lado brasileiro isso não é problema, o Brasil exige muitos documentos de seus cidadãos. É nesse momento que a burocracia brasileira ajuda o interessado a emigrar para os Estados Unidos. São tantos detalhes que nosso trabalho, como advogados de imigração especializados em EB-5 fica fácil.

Mas, por outro lado, alguns que hoje estão bem financeiramente lá já estiveram aqui e ficaram além do permitido. Isso é um problema. Outra coisa difícil para os brasileiros é entender os riscos de investir 500 mil em um projeto. Ele precisa estar seguro que se o projeto falhar ele pode perder o green card, mas se for feito de maneira correta as chances de sucesso são muito grandes, acima de 90%. O brasileiro também quer saber qual será o retorno financeiro disso. O retorno é conseguir a cidadania americana. O visto EB-5 não faz ninguém rico.

Que tipo de empresário brasileiro quer investir nos EUA? 

 Por lei é muito difícil conseguir um visto de trabalho, por isso o EB-5 tem sido visto como grande opção para brasileiros que podem investir. Principalmente, porque assim que seu green card é aprovado ele pode começar a desenvolver suas atividades nos EUA legalmente.

Os brasileiros se sentem atraídos por terem uma grande comunidade aqui, principalmente na Flórida. São médicos, advogados, juízes que querem continuar trabalhando na sua área e encontram no EB-5 uma opção segura e rápida para conseguir o green card. São pessoas que querem uma oportunidade de imigrar legalmente. As razões são várias, inclusive sair do Brasil por questões de segurança.

 É possível vir para os EUA com o visto de turista ou estudante, abrir o próprio negócio e se qualificar para o visto EB-5?

Ele precisa saber que 500 mil dólares não será suficiente para abrir um negócio nos EUA e manter 10 empregados em tempo integral. Profissionais como advogados, médicos e juízes não precisam empregar tanta gente, por isso para eles essa opção de abrir o próprio negócio nem sempre funciona. Se investir um milhão de dólares, o teto para o EB-5, e o projeto dele falhar em dois anos enquanto ainda tiver o green card provisório, ele e toda sua família serão obrigados a sair dos EUA. Já com o centro regional ele não está envolvido em nada do projeto, é somente o dinheiro que ele investe e pronto. Os centros regionais são geralmente projetos grandes com vários investidores e os empregos indiretos contam, o que facilita. Vim como investidor, a empresa que hoje eu tenho aqui, nunca se qualificaria para o EB-5.  Existe outro tipo de visto o L1, mas não é oferecido para os brasileiros e somente dura cerca de sete anos.

Recentemente a mídia americana publicou notícias sobre a fraude no visto EB-5. O que você pode falar sobre isso?

Nós temos vistos muitos profissionais oferecendo assessoria em visto EB-5, pessoas sem licença para oferecer esse serviço. Os riscos que o investidor corre são muito grandes. Temos informação de pessoas que investiram em um projeto em Orlando, colocaram todo o seu dinheiro e quando solicitaram o green card, o que só pode ser feito após a entrada no dinheiro nos EUA, a imigração americana negou o pedido. Isso aconteceu porque o projeto escolhido pelo investidor não era um projeto qualificado para dar visto a ele. Foi uma assessoria equivocada. É preciso muito cuidado ao escolher o projeto e a assessoria. Nada é perfeito. O visto EB-5 é um meio de se tornar um residente legal dos EUA e não de oferecer retorno financeiro.

É uma pena que essas coisas estejam acontecendo, mas por outro lado mostra que mais e mais pessoas estão interessadas no visto EB-5. Quando comecei em 2006 existiam apenas três centros regionais nos EUA, agora são 454 centros e inúmeros projetos em cada centro. Infelizmente é inevitável que surjam fraudes, mas agora o governo americano está mais envolvido com o assunto, porém ainda não existe um departamento regulador. Meu conselho é que fiquem alertas quando os projetos prometem retorno financeiro muito alto, normalmente o retorno é entre 0% a 2%. Outra dica é escolher projetos que durem pelo menos até o investidor por as mãos em seu green card permanente, se o projeto falir depois que ele foi aprovado para o green card permanente o visto do investidor e sua família não é afetado.

Quais são os centros regionais de investimento na Flórida?

Tem muitos projetos disponíveis. A rede de fast food Voo Doo é um deles. Todos os investidores já foram aprovados e estamos esperando outra grande rede de restaurantes chegar no sul da Flórida em 2014. Essa nova rede Twin Peaks será expandida com investimentos estrangeiros, inclusive de brasileiros. Para cada dois restaurantes Twin Peaks haverá 19 investidores. Mais informações sobre os centros regionais aprovados pelo governo podem ser encontradas no site do departamento de imigração americana. Vale lembrar que esses projetos dos centros regionais não têm investimento público, eles são todos privados.

 

Texto publicado originalmente na edição 476 do jornal AcheiUSA

botao menor interno