Bolsas de estudos no exterior para ensino médio e pós-graduação

17 de julho

 

Confira bolsas de estudos com inscrições abertas

Bolsas para ensino médio – Programa Jovens Embaixadores levará alunos do ensino médio da rede pública para um intercâmbio de três semanas nos Estados Unidos. Entre os requisitos para participar, está bom nível de inglês e participação em trabalhos voluntários há pelo menos um ano. Saiba mais pelo website http://www.estudarfora.org.br/programa-jovens-embaixadores-abre-inscricoes/. Inscrições até 9 de agosto.

Bolsas de Pós-graduação – Governo mexicano oferece a estudantes internacionais bolsas de estudo para cursos de especialização, mestrado e doutorado nas mais diferentes áreas em 70 universidades do país. Saiba mais no website: http://www.estudarfora.org.br/mexico-oferece-bolsas-de-estudo-para-pos-em-70-universidades/. Inscrições até 31 de agosto.

Bolsa para pesquisa acadêmica – Fundação Alexander von Humboldt — que promove a cooperação entre acadêmicos do exterior e da Alemanha – concederá bolsas de estudo para um ano de pesquisa na Alemanha. O programa busca profissionais que tenham “notória capacidade de liderança” e trabalhado em áreas como política, economia, administração, mídia e cultura. Saiba mais no website: http://www.estudarfora.org.br/concorra-a-bolsas-de-estudo-para-um-ano-de-pesquisa-na-alemanha/. Inscrições abertas até o dia 15 de setembro

 

Intercâmbio em qualquer idade

Não existe idade certa para fazer um intercâmbio. O importante é estar aberto a novas experiências e ter vontade de explorar o diferente.  Para algumas pessoas, a hora certa para morar fora é aos 16 anos. Para outras, só aos 35. Para outros o grande barato é estar com toda a família. Veja abaixo alguns tipos de intercambio e escolha o que melhor se adequa ao seu estilo.

Intercâmbio na adolescência – Existem programas especialmente pensados para crianças e adolescentes entre 6 e 17 anos.  Geralmente os programas têm duração de uma a oito semanas e acontecem nas férias de final de ano (dezembro e janeiro) e férias escolares de junho, julho e agosto. Os principais destinos são: Estados Unidos, Canadá, Inglaterra, Austrália e França.

Intercâmbio em família – Essa modalidade tem despertado cada vez mais interesse de pessoas mais maduras, com filhos e com vontade de explorar outras culturas. Há escolas que oferecem atrações para a família toda, geralmente em período de férias.  Os pais ainda têm a opção de ficarem livres para os passeios enquanto os filhos participam de programações mais atrativos para eles.

Intercâmbio com Idioma e diversão – Escolas em mais de 40 destinos pelo mundo oferecem cursos de idiomas combinados com alguma atividade –como fotografia, tênis, golfe, escalada, ioga, dança, esportes de inverno e outros. Esses programas são ideais para quem quer estudar por um período e fazer uma atividade que goste. É a oportunidade de aprender um idioma de maneira bem diferente.

Intercâmbio idioma e voluntariado – É uma ótima oportunidade para conhecer um país diferente e ajudar outras pessoas. Além disso, o voluntariado tem sido utilizado como critério de seleção por algumas empresas na hora de escolher seus futuros funcionários. O programa costuma sair mais barato que os demais, mas ainda assim o intercambista costuma ter despesas com acomodação, alimentação e transporte –além da passagem aérea.

Intercâmbio idioma e trabalho – Esses são os programas mais procurados nos países onde os brasileiros podem estudar um novo idioma e ter uma experiência profissional. A lista inclui: Austrália, Nova Zelândia e Irlanda. Em todos eles, os alunos precisam adquirir cursos de inglês em escolas qualificadas. O período mínimo varia de 14 semanas a seis meses.

 

Bolsas de estudo no exterior para alunos do Ensino Médio

O projeto United World Colleges (UWC), associação com escolas de Ensino Médio de 14 países diferentes, oferece bolsas parciais e integrais para estudantes. As inscrições para o processo seletivo podem ser feitas pelo site da organização até o dia 9 de setembro. A taxa de inscrição, até o dia 14 de agosto, é de R$ 60. Após esse período, o custo passa a ser de R$ 90.

É necessário ter entre 15 e 18 anos de idade e estar cursando um dos dois primeiros anos do Ensino Médio para participar. Falar inglês é desejável, contudo, não é obrigatório. O processo de seleção envolve 3 etapas. Para o ano escolar de 2015 a 2017 nove brasileiros já foram selecionados. Eles irão estudar na América do Norte, Europa, e Ásia. Eles viajam em agosto de 2015. Outras informações sobre o processo seletivos pelo website http://www.uwc.org.br/processo-seletivo.

Mix: Estudar no exterior; Emprego no Canadá; Erros de intercambistas

Destinos alternativos para estudar no exterior

Estudante sempre tem pouco dinheiro, por isso tome nota dessas dicas de destinos alternativos no exterior. São lugares onde não custa tanto e o estudante ainda pode aliar o idioma com atividades extracurriculares.

Nos Estados Unidos, a melhor opção é Havaí. Na Europa, a mais econômica opção é Malta. E a asiática Singapura e Nova Zelândia, na Oceania, também são boas alternativas. Um mês de estudo nesses locais alternativos pode sair por cerca de 8 mil reais.

Havaí – O Havaí é ideal para os amantes da natureza e que têm interesse em praticar o surfe paralelamente ao estudo do idioma inglês.

Ilha de Malta – A ilha fica ao sul da Sicília, na Itália. Por sua importância histórica, é bastante procurada por quem gosta de arquitetura e história. É possível ter aulas de inglês em campo e visitar as construções e locações usadas em filmes. Além disso, o inglês de lá é britânico, por isso é uma opção muito mais econômica do que a Inglaterra, na Europa – a economia chega a 40%.

Singapura – No sul da Península da Malásia, Singapura oferece um dos melhores IDH do mundo. Os profissionais e estudantes que mais buscam o local são os de área de tecnologia e mercado financeiro, pois há aulas voltadas especificamente para os dois setores – Singapura é considerada o Vale do Silício asiático.

Nova Zelândia – Nova Zelândia é outra opção para quem gosta de ficar em contato com a natureza e praticar esportes radicais.  O dólar do país caiu em relação ao americano, por isso fica ainda mais atrativo aos brasileiros.

 

 

Mercado de trabalho para imigrante no Canadá

A região do Quebec há anos mantém um programa de imigração especial para profissionais qualificados. Um dos pré-requisitos é ter menos de 35 anos. A região não para de crescer, principalmente nas áreas de áreas de TI, administração, engenharia, contabilidade e marketing. A outra boa notícia é que eles adoram os trabalhadores brasileiros pela facilidade que eles têm em se adaptar.

Para este ano, a previsão de aceitação de vistos permanentes é de 6.300 para todo o mundo.

Para se candidatar é preciso saber falar francês, poucos sabem, mas a língua oficial do Quebec é a francesa.  Depois disso, ter um bom curriculum é fundamental. Uma formação universitária sólida, com boas notas conta bem no processo.

Outras informações sobre o processo de imigração permanente para o canada no site oficial – http://www.cic.gc.ca.

 

10 erros mais comuns dos intercambistas

 

Nem sempre dinheiro vai resolver todos os seus problemas. Na hora de fazer um intercâmbio, que realmente vá trazer o retorno esperado, é melhor colocar na balança vários fatores que podem fazer da sua viagem um bom ou mau investimento. Veja abaixo alguns erros comuns e tente evitá-los, se possível.

1 – Falta de informação – O estudante não pesquisa a fundo sobre o destino e acaba escolhendo o lugar errado.

2 – Perfil incompatível com o lugar – Um lugar frio pode parecer encantador nas fotos e filmes, mas se você não costuma gostar de baixas temperaturas é bom evitar esses destinos.

3 – Momento errado – O momento certo para fazer um intercâmbio é quando a pessoa realmente quer passar por essa experiência e tem vontade de conhecer o diferente. Mente aberta e preparada.

4 – Achar que “lá fora” o mundo é perfeito –  A experiência será diferente, em um local diferente, e não, necessariamente, em um país perfeito.

5 – Não se preocupar com a saúde – A maioria não se preocupa em consultar um médico antes de deixar o país e não quer fazer nem mesmo um seguro de saúde. Depois, acaba enfrentando transtornos e pode acabar tendo gastos altos e inesperados com consultas e emergências.

6 – Escolher o mais barato – É comum o arrependimento depois, porque o pacote não tem nada a ver com o estilo da pessoa, porque o destino não agrada, porque a escola não oferece o que a pessoa esperava e muitas outras decepções.

7 – Arrumar a mala sem pensar no destino – O primeiro passo é verificar qual o clima do destino na época em que a pessoa estiver para chegar.

8 – Não buscar ajuda profissional – Existem muitas opções de destino, escola e acomodação e, na hora de escolher, o estudante fica perdido.

9 – Achar que o intercâmbio resolve tudo – Às vezes ajuda a ultrapassar um momento ruim, na maioria dos casos, os problemas ficam piores e a experiência pode virar um pesadelo.

10 – Não avançar no aprendizado do idioma – É comum a frustração quando a pessoa escolhe um idioma para estudar e não percebe nenhuma mudança na sua fluência. A culpa é do próprio estudante, pois o progresso depende muito do esforço dele fora da sala de aula.

 

 

 

Como mochilar no exterior, destinos alternativos e bolsas de estudos

“Mochilar’’ pelo mundo ainda é uma alternativa

 

Quem nunca pensou, pelo menos uma vez na vida, em por uma mochila nas costas e sair pelo mundo? Pois bem, se você é um desses ai vão algumas dicas de países baratos para uma aventura deste tipo.

Vale lembrar que viagens desse tipo exigem alguma preparação tipo roteiro, onde encontrar acomodação barata e coisas do tip. Os países asiáticos ainda são os destinos mais visitados pelos mochileiros.

Confira a lista:

1 – Albânia (Europa).  As principais cidades albanesas são: Tirana, Durres, Elbasan e Shkoder. Todas possuem clima mediterrâneo e são ricas em patrimônios arquitetônicos e culturais.

2 – Costa Rica (America Central). Esse destino da América Central é banhado pelo mar do Caribe e oferece aos turistas dias inesquecíveis.

3 – Índia (Asia).  A Índia é repleta de religiosidade por todos os lados. As principais cidades indianas são: Mumbai (ex-Bombaim), Calcutá, Nova Délhi (capital), Madras e Bangalore.

4 – Indonésia (Asia). O país é o verdadeiro paraíso para os amantes de esportes como surf, mergulho, pesca e ioga.

5 – Nepal (Asia). O ponto mais alto da Terra está lá, com 8.848 metros, o Monte Everest faz parte do Nepal e fronteira com a China, na região do Tibete.

6 – Nicarágua (America Central).  A Nicaraguá é um país conhecido por sua diversidade. As principais cidades são: Manágua, León, Chinandega, Masaya e Granada.

7 – Peru (America do Sul).  O Peru possui muitas belezas e encantos, que vão desde as trilhas para o Machu Picchu, até Lima, a capital.

8 – Sri Lanka (Asia).  O Sri Lanka é uma ilha situada no Oceano Índico. Os maiores destaques do país são as enormes estátuas espalhadas por vários destinos

9 – Tailândia (Asia).  A Tailândia é o destino ideal para mochileiros que procuram um destino rico em cultura, culinária exótica, belezas naturais e localização acessível. As principais cidades são: Bangcoc, Samut Prakan, Nonthaburi, Udon Thani e Hat Yai.

10 – Turquia (Asia). A Turquia possui a mistura perfeita das culturas oriental e ocidental. As principais cidades são: Istambul, Ancara (capital), Esmirna, Adana e Bursa.

 

Universidade alemã oferece educação gratuita para estrangeiros

 

Para quem pensa em alavancar a carreira com um curso no exterior e tem dor de cabeça só em pensar no que vai gastar, ai vai a dica: as universidades públicas alemãs são gratuitas, inclusive para estrangeiros. Isso mesmo, em vez de pagar os cerca de US$ 30.000 (preço médio da anuidade de um curso de mestrado fora do Brasil), o estudante tem que arcar apenas com taxas administrativas, que giram em torno de 300 euros por semestre. Este valor – irrisório quando comparado ao cobrado por escolas de outros países – dá direito ao estudante utilizar o transporte público sem pagar nada a mais.

E para quem procura cursos de pós-graduação há outra boa notícia: as universidades alemãs mais conceituadas oferecem cursos integralmente em inglês. Ou seja, não é preciso sequer comprovar domínio do idioma alemão para estudar lá.

A Freie Universität Berlin (FU) é uma dessas instituições. Lá, há opções de mestrado em inglês nas áreas de Ciências Humanas, Ciências Sociais, Estudos Regionais, Biociências, Ciências Exatas e Medicina, dentre outras.

Seleção – O processo de seleção varia conforme o curso pretendido, mas em geral inclui análise de currículo escolar, prova de proficiência no idioma do curso (inglês ou alemão) e envio de carta de motivação.

video sobre a universidade

website da universidade

 

 

Destinos alternativos para estudar no exterior

Estudante sempre tem pouco dinheiro, por isso tome nota dessas dicas de destinos alternativos no exterior. São lugares onde não custa tanto e o estudante ainda pode aliar o idioma com atividades extracurriculares.

Nos Estados Unidos, a melhor opção é Havaí. Na Europa, a mais econômica opção é Malta. E a asiática Singapura e Nova Zelândia, na Oceania, também são boas alternativas. Um mês de estudo nesses locais alternativos pode sair por cerca de 8 mil reais.

Havaí – O Havaí é ideal para os amantes da natureza e que têm interesse em praticar o surfe paralelamente ao estudo do idioma inglês.

Ilha de Malta – A ilha fica ao sul da Sicília, na Itália. Por sua importância histórica, é bastante procurada por quem gosta de arquitetura e história. É possível ter aulas de inglês em campo e visitar as construções e locações usadas em filmes. Além disso, o inglês de lá é britânico, por isso é uma opção muito mais econômica do que a Inglaterra, na Europa – a economia chega a 40%.

Singapura – No sul da Península da Malásia, Singapura oferece um dos melhores IDH do mundo. Os profissionais e estudantes que mais buscam o local são os de área de tecnologia e mercado financeiro, pois há aulas voltadas especificamente para os dois setores – Singapura é considerada o Vale do Silício asiático.

 

Nova Zelândia – Nova Zelândia é outra opção para quem gosta de ficar em contato com a natureza e praticar esportes radicais.  O dólar do país caiu em relação ao americano, por isso fica ainda mais atrativo aos brasileiros.

 

Oportunidades no exterior: faça intercâmbio remunerado, vagas de emprego na Irlanda e pague sua acomodação em troca de trabalho

More fora de graça em troca de trabalho

Ai vai uma dica para quem quer viajar e não tem muito dinheiro. Troque a acomodação e alimentação por trabalho voluntario. Tem gente que ainda torce o nariz para esta modalidade de intercambio, mas muitos estão fazendo pelo mundo e aproveitando a oportunidade de conhecer novos países e culturas.

Vale lembrar que é sempre bom ter um conhecimento de médio para avançado do inglês, algum dinheiro extra para possíveis problemas de última hora e para pagar a passagem.  Veja abaixo uma lista de websites que podem ajudar na busca pela melhor oportunidade no exterior.

Workaway – É um site criado para promover a troca entre viajantes de baixo orçamento que estão em busca de ajuda com uma série de atividades variadas e interessantes. A filosofia deles é: ” poucas horas de trabalho honesto por dia em troca de comida e alojamento e uma oportunidade de aprender sobre o estilo de vida local e da comunidade, com simpáticos anfitriões em situações e ambientes variados”.

Worldpackers –  É uma ferramenta que possibilita viajantes encontrarem hospedagem de graça em diversas partes do mundo em troca de trabalho voluntário em hostels. O slogan deles é: “Travel experiences money can’t buy” (Experiências de viagem que o dinheiro não pode comprar).

World Wide Opportunities on Organic Farms – WWOOF – Programa para os interessados em vida no campo e produção orgânica, permite aos participantes participarem dos projetos da rede mundial, presente em vários países. Os participantes têm a chance de aprender sobre cultivo orgânico e biodinâmico de alimentos em atividades que incluem preparar a terra, plantar sementes, cuidar dos animais da fazenda, ordenhar vacas, entre outros.

 

Projeto de Harvard quer ajudar novos talentos brasileiros

 

Idealizado por brasileiros que estudam em Harvard, o projeto de mentoria Brasilitas pretende selecionar 15 alunos da rede pública no Brasil para serem orientados acadêmica e profissionalmente. O processo de seleção está aberto deste o dia 1º. de junho.

O objetivo principal dos alunos de Harvard é encontrar jovens com potencial e vontade de desenvolverem projetos sociais.  O trabalho desses alunos que estão tendo a oportunidade única de estudar na mais renomada universidade americana será de orientar e acompanhar o desenvolvimento social desses alunos no Brasil.

Eles vão oferecer ainda toda orientação possível para que esses estudantes da rede pública brasileira tenham acesso à informação correta sobre bolsas de estudos e até como chegar a Harvard.

Atualmente, Harvard conta com 13 estudantes brasileiros nos mais variados cursos e todos eles serão mentores.

Os interessados em serem apadrinhados pelo Brasilitas devem preencher um formulário de inscrição na página do grupo no Facebook (www.facebook.com/harvardbrazil).

 

Emprego para brasileiros na Irlanda

A Irlanda é um dos países mais amigáveis com estrangeiros. Por isso, o país é muito escolhido por brasileiros para estudar e trabalhar, pois além disso tem a vantagem de ter o inglês como língua oficial. Por isso, se você deseja trabalhar e estudar na Irlanda, não deixe de consultar um dos principais websites de empregos do país, o www.irishjobs.ie.  Sempre há vagas para diferentes áreas em que um dos principais requisitos é falar português, mas sempre é importante também dominar a língua inglesa. As oportunidades de emprego podem mudar diariamente, mas em geral incluem atendimento ao cliente como por exemplo: Agente de atendimento ao cliente, Agente de soluções para o cliente na empresa PayPal, Executivo de operações na área de marketing etc.

 

Vagas para estágio remunerado no exterior   

O seu sonho em fazer um estágio no exterior está perto de ser realizado, e mais, há vagas para estágios remunerados. O programa Talentos Globais da AIESEC (http://aiesec.org/), que oferece estágio em diversos países nas áreas de Gestão, Engenharia, Relações Internacionais, Tecnologia e Educação é programa perfeito para quem já domina o inglês (ou o espanhol) e quer turbinar o currículo com uma experiência internacional em uma área específica e sem gastar todas as economias de uma vez.

Só na área de TI, por exemplo, o programa oferece aproximadamente 800 vagas para cursos de TI, em mais de 70 países.  Vale lembrar que para poder participar é necessário ser graduando, pós-graduando ou formado há até 2 anos. Ter de 18 a 30 anos de idade, ter inglês ou espanhol avançado (depende do país onde você quer trabalhar).

Após ser aprovado no processo seletivo para o estágio remunerado no exterior, os candidatos passam a ser acompanhados por um membro da AIESEC. Esse acompanhamento se dá desde a busca de vagas no sistema até a formulação do currículo em inglês, a preparação para entrevistas, processo de obtenção do visto, seguro saúde e preparação cultural para o país de destino.  Há uma taxa de manutenção do programa para poder fazer o intercâmbio, mas por ser uma organização sem fins lucrativos, o custo é bem baixo se comparado com outras empresas de intercâmbio.

Abertas as inscrições para bolsas de estudo no exterior

Veja abaixo diversas oportuniades de bolsas de estudo no exterior:

 

Bolsas de estudos em New York para jornalistas

O Fundo Dag Hammarskjöld está oferecendo bolsa de estudos para Jornalistas que queiram ficar até três  meses em Nova York, nos Estados Unidos, cobrindo eventos da ONU. As inscrições vão até o dia 16 de março.  O trabalho tem início em setembro vai até o final de novembro deste ano.

Serão concedidas quatro bolsas de estudo entre profissionais da América Latina, Caribe, África e Ásia. Os benefícios cobrem os custos com passagens áreas e acomodação, além de incluir um valor diário para alimentação.

Para concorrer, é preciso ser graduado em comunicação e possuir experiência na área, ter entre 25 e 35 anos de idade e ótimo domínio do inglês, já que todas as reuniões e conferências serão realizadas neste idioma. Além disso, os interessados devem comprovar que estão empregados e trabalham em tempo integral como jornalistas em veículos de televisão, rádio, mídia impressa ou online.

O processo de seleção inclui o envio de uma ficha de inscrição; amostras do trabalho como jornalista (reportagens, gravações de aúdio ou vídeo), veiculados entre 2013 e 2014,  com um resumo em inglês; duas fotos recentes; e cópia do passaporte. É preciso ainda enviar duas cartas de seus supervisores (em inglês) atestando sua competência jornalística, e uma da empresa aprovando a participação no programa e informando que o candidato continuará empregado durante a vigência da bolsa. Veja detalhes sobre o processo de seleção clique aqui.

 

Instituição canadense oferece 400 bolsas de estudos

O projeto canadense Emerging Leaders in the Americas Program (ELAP) está oferecendo 400 bolsas de estudos para estudantes e ou pesquisadores de vários países no mundo, incluindo o Brasil.  Os candidatos precisam provar que estão estudando em tempo integral e ter o apoio da faculdade para o intercâmbio.

Inscrições vão até o dia 30 de abril deste ano. As aulas terão início entre 2 de julho de 2015 e 1 de fevereiro de 2016. A duração do curso, a ser escolhido pelo candidato, deve ser entre 4 meses e um ano. O valor da bolsa varia entre $7200 a $9.700.

Para se inscrever, o candidato precisa contatar a faculdade onde estuda e saber se há algum convênio com universidades canadenses que estejam na lista de participantes do ELAP. Veja outros detalhes do processo seletivo.

Bolsas de estudo para programa de pós-doutorado no exterior

As inscrições para o novo Programa Estágio Pós-Doutoral PCTI 2014 – Parques Tecnológicos seguem até 15 de maroc. A iniciativa da Fundação Capes selecionará bolsistas para estágio no nível de pós-doutorado, voltado para a área de gestão e desenvolvimento de ambientes de inovação.

O Programa tem o objetivo de oferecer oportunidade de formação pós-doutoral no exterior, possibilitando maior visibilidade internacional aos ambientes de inovação brasileiros, em especial os Parques Científicos e Tecnológicos.

A Capes concederá bolsa no valor de US$ 2.100 (mais de R$ 6,5 mil) mensais para os bolsistas que forem estagiar nos Estados Unidos; e de € 2.100 mensais para os bolsistas que forem estagiar na Europa.

A bolsa terá duração de seis meses, renovável por igual período em função do desempenho do bolsista. Também serão concedidos os seguintes benefícios: auxílio-seguro saúde; auxílio instalação e auxílio deslocamento.

As atividades no exterior têm início previsto a partir de setembro de 2015. Veja detalhes do processo seletivo.

 

Faculdade no Canadá oferece bolsa de estudos

O Canadore College, no Canadá, está com inscrições abertas para estudantes internacionais interessados em fazer um dos mais de 65 programas oferecidos pelo College em 2015.

Para os novos alunos, o Canadore oferecerá bolsas iniciais de estudo no valor de até CAD $2.000,00. A bolsa será válida para o primeiro semestre de estudo em cursos oferecidos pelo College em tempo integral, inclusive o curso regular de ESL (English as Second Language).

Ao completar todos os requisitos para a inscrição, os alunos que tiverem um histórico escolar com mais de 85% de aproveitamento irão automaticamente receber uma bolsa de estudo de acordo com os seguintes requisitos: aproveitamento de 93% ou mais: CAD $2.000,00, aproveitamento entre 90% e 92.9%: CAD $1.000,00 e aproveitamento entre 85% e 89.9%: CAD $500,00.

Além dessa oportunidade inicial, durante os estudos, os alunos podem ser considerados para outras bolsas de acordo com o mérito acadêmico e participação na vida escolar. Outras informações pelo e-mail  Laura.Saraiva@canadorecollege.ca ou acesse o website www.canadorecollege.ca.

 

botao menor interno

Projeto oferece viagem de graça para estudante voluntário

Se você estiver interessado em uma bolsa que lhe permite viajar ao fornecer serviços voluntários então o Giving Back Program, da Human Project, é uma grande oportunidade para você. O prazo é até o dia 31 de março.

Os estudantes aceitos terão sua passagem aérea, alojamento, seguro médico e algumas eventualidades cobertas pelo programa. A duração da viagem é de 10 a 14 dias.

Cada aluno estará participando de um projeto em parceria com uma organização de voluntariado internacional. Antes de viajarem, os alunos receberão treinamento em liderança e filantropia.

Para participar, os interessados precisam ter entre 18 e 25 anos e preencher um requerimento online. Os candidatos devem estar estudando nos Estados Unidos, mas podem ser de qualquer país e estar cursando qualquer curso em uma universidade. O aluno vai precisar ainda de duas cartas de recomendação, uma redação e uma foto recente.

O comitê de seleção do projeto irá analisar todos os pedidos e selecionar os candidatos finais para participar de uma entrevista via Skype. Entre os requisitos para conseguir uma das cinco vagas estão: maturidade, abertura às culturas estrangeiras, ser independente, e ter vontade de ajudar o próximo.

ONG oferece bolsas de estudo de jornalismo na Europa e EUA

Todos os anos a Erasmus Mundus abre inscrições para bolsas de estudo de pós-graduação em Jornalismo. Este ano os candidatos poderam escolher entre umas das quatro áreas de especialização oferecidas pelo programa, cada uma em uma universidade diferente: Jornalismo Econômico e Negócios, na Universidade da Cidade de Londres, na Inglaterra; Guerra e Conflito, na Universidade de Swansea, no País de Gales; Mídia e Política, na Universidade de Amsterdã, na Holanda, e Jornalismo e Mídia entre Culturas, na Universidade de Hamburgo, na Alemanha.

Geralmente as inscrições podem ser feitas em janeiro, por isso é bom passar o ano se preparando. Para mais informações sobre os processos para a candidatura, prazos e requisitos, acesse o link.

O programa tem duração de dois anos: no primeiro, os estudantes vão cursar na Universidade de Aarhus, na Dinamarca. Já no segundo ano, os estudantes poderão escolher entre um dos quatro cursos oferecidos por uma das universidades europeias já citadas. Além disso, alguns estudantes terão a opção de passar um semestre fora, em uma das universidades não europeias parceiras durante o segundo semestre do primeiro ano: Universidade da Califórnia em Berkeley, nos EUA;  Universidade de Tecnologia de Sydney, na Austrália; e a Pontifícia Universidade Católica do Chile.

Após completarem os dois anos de curso, os estudantes serão premiados com um diploma, dependendo da sua especialização. Em caso de possíveis dúvidas, contate o e-mail erasmusmundus@hum.au.dk. Se você é estudante da área, não perca essa oportunidade!

botao menor interno

Ser host Family é ter muita história para contar

Desde 2012 recebemos estudantes internacionais e ou os ajudamos a encontrar um lugar para ficar enquanto estudam inglês por aqui, sul da Flórida. Ser host Family é ter muita história para contar e nesses anos colecionamos algumas e amigos de vários países.

Para quem não sabe, Host Family é aquela família local que recebe o estudante estrangeiro por um curto período de tempo, geralmente um mês ou dois. Além de ter contato com o idioma que ele (ela) quer aprender, o estudante tem a segurança de poder contar com orientação adequada no que precisa.

Com muito orgulho já recebemos estudantes do Brasil, França, Japão, China, Equador, Arábia Saudita, Oman, Espanha, Vietnã e Guadalupe (ilha que nem sabíamos que existia e só soube depois que os alunos chegaram).

Com tudo isso, só temos a agradecer a essa oportunidade. Nossos estudantes são uma dádiva.

Alguns marcaram as nossas vidas:

Ainda lembramos de toda a ajuda que o Abdul (Arábia Saudita) precisou para comprar o primeiro carro. Foram vários dias de busca. Aprendemos muito com os hábitos árabes. Todo dia quando acordávamos ele já estava de pé e já havia feito suas orações. Já sabemos exatamente o ponto dentro do nosso apartamento que fica na direção a Meca (a cidade sagrada).

O Yahia (Oman) ficava tão feliz em ir ao shopping e ver os preços. Ele nos trouxe presentes maravilhosos de seu país em meio aquelas duas malas gigantes cheias de comida enlatada (ele tinha medo de não ter o que comer por aqui por isso trouxe quase um supermercado inteiro dentro da mala). Nós o ajudamos a decorar o quarto quando ele se mudou, a ir à escola em busca de novos cursos, comprar presentes para os filhos que ficaram em Oman.

O Alberto (Equador) só sabia meia dúzia de palavras em inglês e ficou fã número 1 do Walmart. Na falta do que dizer, ele falava a palavra mágica …. Walmart!! Ele também foi o intercambista mais velho que já abrigamos, acima dos 60 anos, professor universitário em uma faculdade no Equador.

E o desespero em procurar um dentista no fim de semana para a Denise (Brasil). Nossa! Ainda bem que conseguimos marcar em cima de hora e a dentista cobrou super baratinho. Nada como conhecer as pessoas chaves na hora do desespero!

E os nossos chineses? …. ahhh os nossos chineses! Uma graça! Aliás dois. Chen e Yan eram só alegria. Eles vieram da China direto para um hotel, mas perceberam que não tinham com quem conversar em inglês e, principalmente, alguém para ajudar com informações de como se virar nos Estados Unidos. Depois de dois dias no hotel pediram transferência urgente para uma Host Family. Nós os recebemos e foi uma festa.

No fim de semana veio outro amigo chinês, o Peter. Os três ficaram com a gente no dia anterior a viagem à Disney. Uma loucura!  De vez em quando o Chen consegue mandar um alô lá da China. Se eles pudessem ter Facebook seria mais fácil saber como eles estão.

Enfim, aprendemos mais sobre a China do que está nos livros e ou na mídia.

Por falar em Ásia, não podemos esquecer do Kazuki, nosso filho japonês. Quando ele foi embora desenhou um mapa para podermos encontrar a casa dele se um dia formos ao Japão. Nossa! A partida dele foi de cortar o coração.

Nunca vamos esquecer aquela noite na balada brasileira em Miami, Kazuki e duas amigas japonesas foram juntos. Não entendiam uma palavra das músicas (em português e inglês), mas sabiam exatamente a direção do bar …. afff.

O Willie e o Jordy (Guadalupe, no Caribe) chegaram à meia noite. Os dois fizeram tantas compras que nós precisamos fazer duas viagens até o centro de reciclagem para levar todo o lixo que eles deixaram para trás.

Os dois precisaram explicar muito bem de onde vinham. Nunca tínhamos ouvido falar de uma ilha minúscula no Caribe que até hoje é colônia dos franceses. Em pleno século XXI ainda existe uma ilha colônia no Caribe! Estudante internacional também é cultura e aula de história.

E as malas da Denise e da Fernanda (Brasil)? Literalmente não cabia nem um sopro lá dentro. Suuuuuuperrrrrr lotadas…Media.. O dinheiro que elas economizaram ficando com a gente, elas gastaram tudo no Sawgrass Mills Mall e na Disney.

Agora é só esperar os alunos 2015 e as futuras histórias.

botao menor interno

Universidade nos EUA oferece graduação online e gratuita para estrangeiros

Cursar uma universidade em outro país sem dúvida faz muita diferença no seu resume (curriculum vitae) na hora de procurar um emprego. Porém, a questão financeira continua sendo um dos grandes entraves para os estudantes brasileiros. O sonho de 10 entre 10 estudantes é conseguir uma bolsa, quando isso não é possível muitos desistem do sonho.

Para mudar esta realidade uma universidade nos EUA oferece graduação online e gratuita para estrangeiros – a UoPeople –  Universidade do Povo (em tradução livre).

A instituição foi fundada em 2009 por Shai Reshef com apoio da Organização das Nações Unidas (ONU) e oferece cursos nas áreas de Ciências da Computação, Administração e disponibiliza aulas de reforço nas áreas de humanas e exatas durante a graduação. Reshef trabalhou por mais de 20 anos no setor de ensino com fins lucrativos e implantou na Europa a primeira universidade online.

Apesar de estar localizada em Pasadena, nos Estados Unidos, todas as aulas e serviços oferecidos, como biblioteca, por exemplo, são online. O próprio aluno organiza sua rotina de estudo, estudantes e professores participam de fóruns para discutir o conteúdo visto na semana e tirar dúvidas, as lições podem ser tomadas a qualquer momento, mas as tarefas devem ser entregues dentro do prazo.

Atualmente, mais de 2 mil estudantes de 148 países estão matriculados na universidade. O perfil dos alunos é diversificado: eles têm entre 18 e 66 anos, sendo a maioria, cerca de 33%, do continente africano. Os interessados precisam ter 18 anos ou mais, proficiência em inglês e comprovar conclusão do ensino médio para se candidatar a uma vaga. As cópias dos diplomas e dos históricos devem ser autenticadas e transcritas para o inglês, mais informações podem ser acessadas no site da instituição.

Para os brasileiros interessados, é importante pensar na revalidação do diploma após a conclusão do curso estrangeiro.

A Universidade do Povo não cobra taxa de matrícula dos alunos.  Os alunos precisam apenas custear parte das despesas administrativas e exames que chegam a apenas US$ 100 por semestre.

 botao menor interno

 

Fonte: Terra

Eduardo Oda e Esther Florsheim, estudantes brasileiros em Yale

Intercâmbio em universidades americanas é uma oportunidade valiosa para brasileiros

Luciana Pires

 

New York – Para muitos profissionais bem sucedidos um intercâmbio, estágio ou até mesmo viagens para outros países foram decisivos para um salto na carreira. Por essa razão, muitos estudantes brasileiros tomam a decisão de estudar no exterior, e a maioria procura as melhores universidades possíveis.

A Universidade Yale foi classificada como a 11 ª melhor universidade do mundo, de acordo com o Ranking Acadêmico de Universidades do Mundo (Academic Ranking of World Universities), em 2013 e é uma das preferidas pelos brasileiros.

A universidade, localizada na cidade de New Haven-CT, recebe alunos do mundo inteiro, e seu programa de parceria com universidades de vários países atraem ainda mais os estudantes internacionais. A relação entre brasileiros e a universidade não é nova: há mais de dezoito décadas que a Universidade Yale conta com a presença de alunos brasileiros. O primeiro deles foi João Francisco de Lima, que ingressou no curso de Medicina em 1833.

Atualmente, alunos brasileiros que querem estudar no exterior podem recorrer às bolsas de estudo oferecidos pelos programas de avanço à pesquisa no Brasil.

Um desses estudantes foi a doutoranda Esther Florsheim, de 28 anos, que se formou em Biologia pela USP (Universidade de São Paulo).

Logo depois da graduação, Esther candidatou-se para uma bolsa de estudos de doutorado direto oferecida pela FAPESP (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo). “Eu fiz prova na FAPESP para o doutorado direto e depois candidatei-me para a solicitação da bolsa de estudos no exterior e escolhi Yale” lembra Esther.

Os alunos que conseguem o financiamento para pesquisa pela FAPESP podem escolher a universidade. A opção por Yale veio porque, além de ser uma renomada faculdade, Esther já conhecia um professor com quem tinha o interesse de fazer pesquisas na área de imunologia.

Através do programa do governo brasileiro Ciências sem Fronteiras, Eduardo Oda, de 23 anos, um estagiou no Child Study Center (Centro de Pesquisa da Criança), em Yale. O programa financia estágios no exterior para alunos graduados e pós-graduados.

A experiência curricular e cultural motivou Eduardo a se inscrever no programa. Formado em Medicina pela Universidade de São Paulo, ele participou do processo seletivo, baseado no currículo acadêmico e uma entrevista “Em agosto de 2011, a universidade recebeu 10 bolsas para serem distribuídas entre os alunos interessados em estudar no exterior, e eu fui um dos aprovados,’’ ele conta.

Para Esther e Eduardo as dificuldades do começo foram as mesmas: adaptação à cultura e à língua. Para eles, fazer amigos foi muito importante nesse processo de adaptação. Além da universidade promover o “mix de culturas,” os alunos brasileiros contam com Brazil Club, um clube só de alunos brasileiros.

Yale também oferece o curso de Português, Literatura e Cultura brasileira para os graduandos e pós-graduandos. Este semestre, o curso conta com 60 alunos. Para o professor adjunto Paulo Moreira, os avanços do Brasil, a Copa do Mundo e as Olimpíadas sem dúvida geraram um interesse ainda maior para se aprender o português. “Além do curso, a universidade também oferece a imersão na língua através do Study Abroad (estudo no exterior) em que os alunos vão para o Brasil e lá assistem aulas durante um mês na PUC-Rio (Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro), e por mais um mês na UNESP (Universidade Estadual Paulista),” conta a professora sênior Marta Almeida, 70 anos, que é a mentora do programa.

Alguns desses alunos têm o objetivo de trabalhar no Brasil, como conta o estudante de engenharia mecânica James Geollin, de 21 anos: “Eu me interesso por pesquisas sobre água potável, e o Brasil é um importante país nesse assunto”.

Os alunos que se candidatam e são aceitos para a bolsa de estudos de graduação da própria universidade recebem isenção quase integral de custos. Já os alunos que candidatam-se para o programa de PhD (Doutor em Filosofia) recebem salário e são isentos de mensalidade.

Os dois programas que oferecem bolsas de intercâmbio no exterior para estudantes brasileiros — FAPESP e Ciência sem Fronteiras — também oferecem suporte financeiro e isenção de custos. Um bom histórico acadêmico, esforço e disciplina são essenciais para se conseguir uma dessas bolsas de estudo.

Alunos graduados residentes no estado de São Paulo podem se inscrever no programa FAPESP a qualquer momento. Os alunos inscritos que conseguem a bolsa podem solicitar o recurso financeiro para estudos no exterior. Todas as informações sobre os direferentes tipos de bolsas e regulamento estão disponíveis no site www.fapesp.br

O programa Ciências sem Fronteiras oferece ajuda financeira para o estágio no exterior. O programa alcança alunos de todo o país, e sua meta é oferecer mais de 100 mil bolsas de estágio no exterior durante os 4 anos do programa. No site do Ciências sem Fronteira há mais informações — www.cienciasemfronteiras.gov.br/web/csf/home.

 

botao menor interno

 

 

Fonte: AcheiUSA